Os desenhos de Camilo Meneghetti conformam paisagens, por vezes mesmo detalhes delas. Ao contrário do que se espera essas não são partes do mundo reapresentadas a partir da subjetividade do artista, são paisagens internas. Nas palavras do artista, seus desenhos são “monolitos de imagem em grafite, carvão etc esculpidos pela mão e pela borracha”. O uso errático de materiais sobrepostos cria uma imagem caótica e hipnotizante, exatamente porque do caos exposto pelo artista emerge uma paisagem interna reconhecível para o observador graças ao fato dele mesmo conter em si uma paisagem mais ou menos similar dentro de si.

Paulo Gallina

Crítico e Curador